Música livre: artistas brasileiros que disponibilizam seu som gratuitamente

Liberar álbuns gratuitamente na rede é uma moda que vem de fora. Lembro-me quando, em 2007, Radiohead lançou o álbum In Rainbows na política "pague o quanto quiser". Você poderia baixar o álbum do site da banda pelo preço que bem entendesse, inclusive se o tal preço fosse zero. Foi um estouro.  E polêmicas acerca de distribuição de mídia digital surgiram juntamente com o sucesso do álbum, que ficou mais famoso por essa política do que por sua sonoridade.


Em terras tupiniquins, o costume não demorou a chegar. São vários os artistas de peso que vêm aderindo à prática. Não sei exatamente qual é o propósito de marketing por trás disto, e nem pretendo discuti-lo aqui. Só sei que, pra quem não é adepto a aplicativos como spotify (tipo eu) e gosta de manter os arquivos de música no HD, álbuns de graça são uma maravilha. Nada como simplesmente baixá-los do site do próprio artista, não? Não há pirataria, não há peso na consciência, e o melhor, não há desembolso. 

Claro que isso deve vir acompanhado de um senso de valorização do artista e da arte. Afinal, o músico precisa sobreviver e deve ser reconhecido por seu trabalho - e isso inclui, pasmem, que ele receba dinheiro pelo que faz. Ou seja, se você realmente gostar do artista, considere contribuir para que ele continue fazendo o que faz. Compre camisetas, vá a shows, divulgue-o. Faça sua parte e mostre que você dá valor ao que ele produz. 

Bom, chega de digressão. Vamos à lista. Se você for fã de música brasileira vai adorar as sugestões que eu coloquei aqui. Se você não curtir muito um som brasileiro... bem, convido-lhe a pelo menos dar uma olhada nas capas dos álbuns, elas são bonitas. 

A Banda mais Bonita da Cidade


Quem nunca ouviu por aí aquela música com letras que sugerem relações poliamorosas com melodia que começa e termina em amor? Bem, trata-se da interminável oração, o maior sucesso deles. A voz adocicada de contralto jovem da Uyara torna todas as faixas um convite ao deleite. A Banda colabora também com diversos compositores, e por isso tem um leque diverso (mas não dissonante) de estilos em sua sonoridade. Minha canção favorita é a canção pra não voltar, composição de Leo Fressato com guitarras lindamente emprestadas do Radiohead.

É possível baixar sua discografia in-tei-ri-nha de forma gratuita no site deles. São uns bonitos, não?


Castello Branco


Esse cara me lembra um pouco os poetas da Árcadia, com um toque de Alberto Caeiro e umas reuniões no clube de amor livre de Porto Alegre. Não sei se é porque ele está sempre fotografado na natureza ou se é a organicidade dos seus instrumentais que me fazem associá-lo a campos e esse tipo de visão anti-metafísica... sei lá. Seja o que for, seu som é realmente uma lindeza. Ele faz bastante uso do violão e o conjuga com outros instrumentos mais suaves (como xilofones e triângulos) e tem uma expressão vocal muito versátil.

Dá pra baixar o álbum Serviço no seu site.


Criolo


Criolo. Que homem. A música desse cara tem MUITA coisa. Tem samba, tem protesto em rap, tem crítica social, tem jazz... tem de tudo! É uma mistureba muito foda. Na faixa que dá nome ao seu último álbum, ouve-se referências a Naruto (!)  e a religiões africanas e hindus pra ilustrar a situação do indivíduo da favela. Pode parecer bizarro, mas ele consegue fazer desse liquidificador cultural um ótimo pano-de-fundo pra reprodução do cotidiano das camadas desfavorecidas da população. Ouvi-lo é também tomar consciência social.

Ele deixou o Convoque seu Buda de graça no www.criolo.net. Corre~

Cícero

Seu primeiro álbum foi gravado de forma independente nos seus próprios aposentos (daí o nome Canções de Apartamento). Essa informação dá todo um toque especial pro disco, tenho a impressão de que torna tudo mais íntimo e realça a sensibilidade de cada faixa. Sinto que ele fez tudo de uma maneira quase artesanal. É bem aquele tipo de música pra se ouvir no fim de relacionamento, ou no fim de amizade, ou no fim da vida, enfim, em fins em geral.

Dá pra baixar o Canções de Apartamento e os outros três álbuns do Cícero no site dele.

Karina Buhr


Divertida, escrachada e crítica. Karina sempre joga tudo na cara (ou nos ouvidos) do público. Nassiria e Najaf é um exemplo dessa atitude descarada - nesta canção, o mundo está acabando numa guerra nuclear, e alguém consola seu parceiro de quarto com o agradável conselho "Dorme logo antes que você morra". 

Ela mistura rock ao funk e ainda coloca elementos eletrônicos aqui e ali. Tudo isso misturado ao sotaque gracioso do Recife. Ainda não ouvi muito dela, mas com certeza vou reservar um tempo pra ouvir seus dois álbuns solos.

Os dois discos da Karina estão no seu site.


 Bônus: Mulheres de Péricles


O bônus não é um grupo composto por mulheres, mas um álbum magnífico e de graça cantado só por vozes femininas. Elas são cantoras importantes da cena musical brasileira atual reinterpretando as canções de Péricles Cavalcanti. Péricles foi um compositor ativo especialmente nos anos 80, produziu pra Gal Costa e pro Caetano Veloso. Pra vocês terem uma noção, esse álbum conta com Mallu Magalhaẽs, Tiê, Tulipa Ruiz, a supracitada Karina Buhr, Céu e por aí vai. Sem falar que o release foi comentado pelo Arnaldo Antunes, não é pouca bosta mesmo!

Pra baixar esse bônus pra lá de lindo é só ir no site oficial do projeto.


Bom, é isso. Espero que alguém, em algum lugar do universo, aproveite estas dicas. E que este alguém seja rápido no download dos álbuns, porque eles não ficam lá de graça pra sempre. (A Tulipa Ruiz, por exemplo, já parou de distribuí-los assim, de grátis.)

Até mais! 

Compartilhe-me:

Sobre o Autor

Gosta de línguas, reflexões introspectivas, UTAU/Vocaloid, discussões sobre gênero e sexualidade, do céu e de fazer da vida alheia um bordado de renda (de chita filó).